• Category : SERVIÇOS

Planejamento arquitetônico

Planejamento antes de tudo! Normalmente o arquiteto só começa a trabalha quando o local, o tipo e o custo de uma edificação foram determinados pelo cliente.

Alguns tipos de Projetos Arquitetônicos:

Residencial

Habitação

Varejo

Centro de Varejos

Shoppings

Comercial

Centros de Negócios

Conjuntos de Escritórios

Cívico

Parques

Praças Públicas

Saúde

Conjuntos Hospitalares

Centros de Saúde

Consultórios

Educação

Escolas

Universidades

Centros de Treinamentos

Industrial

Pesquisa e Produção de Equipamentos

Transporte

Terminais Aéreos, marítimos e ferroviários

Lazer

Resorts em Praias

Parques de Aventura

Misto

Novos Bairros

Cidades

Ampliações

Renovação Urbana

A importância de um planejamento e projeto arquitetônico em qualquer que seja a obra é fundamental.
É mais complicado e custoso implementar alterações em etapas posteriores do que no início do projeto;
Os custos operacionais e de manutenção de uma edificação superam os custos da construção.

Um exemplo disso o DECRETO Nº 9.296, DE 1º DE MARÇO DE 2018, regulamentou a o art. 45 da Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015 com isso os Hotéis, pousadas e similares devem ser construídos observando-se os princípios do desenho universal, além de adorar todos os meios de acessibilidade, conforme a legislação em vigor.

Algo que poderia ter sido realizado e não foi feito torna-se um custo para a sua adaptação.

Fases do processo de desenvolvimento

O processo se divide em três fases básicas: Planejamento, Projeto e Execução. Os arquitetos são mais ativos nas duas primeiras fases, mas continuam a atuar na seguinte como o planejador e demais membros da equipe principal.

Fase de Planejamento

Esta fase determina o contexto estratégico do projeto, recolhendo informações relacionadas aos cinco postulados – ambiental, tecnológico, econômico, político e social. A equipe de projeto racionaliza essas informações juntamente com o programa de necessidades e plano diretor a fim de definir as metas iniciais e estabelecer a estrutura que orientará a preparação do plano geral durante a fase seguinte.

Apresentação para o cliente

Depois de concluído, o documento será apresentado ao cliente para avaliação. Os detalhes do programa estarão sujeitos a alterações: levantamentos podem esta à espera de autorização, por exemplo, ou ainda incompletos. Informações negligenciadas podem aparecer e originar novos problemas. Essas novas informações devem ser incorporadas ao programa assim que possível. Espera-se que o programa tenha uma natureza mutável, e o cliente deve estar ciente desse fato e de suas causas.

Fase de Projeto

Este é o início da fase de planejamento do sítio (local). Mais uma vez a equipe se envolverá nas questões ambientais e tecnológicas. Os elementos estruturais nem sempre são evidentes desde o início, mas precisam ser definidos. Uma vez que as mais diversas variáveis faz-se, então, um procedimento de testes e aperfeiçoamentos, até que a versão final do projeto arquitetônico fique pronta.

Fase de Execução

A execução trata de como o novo empreendimento se dará no sítio.  O projeto executivo e o memorial descritivo são os principais documentos que definirão o escopo da obra pra quem o executará.

Assim, o planejamento é o processo de particularizar e, em última análise, harmonizar as demandas de meio ambiente, uso e economia. Esse processo tem um valor tanto cultural quanto utilitário, pois ao criar um plano para qualquer atividade social, o arquiteto inevitavelmente influencia a maneira pela qual essa atividade é realizada.

Planejando o meio ambiente

O ambiente natural é ao mesmo tempo um obstáculo quanto uma ajuda, e o arquiteto procura aproveitar os benefícios e repelir os obstáculos. Para tornar os edifícios habitáveis ​​e confortáveis, ele deve controlar os efeitos do calor, frio, luz, ar, umidade e secura e prever potencialidades destrutivas como fogo, terremoto, inundação e doenças.

Os métodos de controle do ambiente aqui considerados são apenas os aspectos práticos do planejamento. Eles são tratados pelo arquiteto dentro do contexto dos aspectos expressivos. A colocação e a forma dos edifícios em relação aos seus locais, a distribuição dos espaços dentro dos edifícios e outros dispositivos de planejamento discutidos abaixo são elementos fundamentais na estética da arquitetura.

Orientação

O arranjo dos eixos dos edifícios e suas partes é um dispositivo para controlar os efeitos do sol, do vento e chuva. A orientação pode controlar o ar para circulação e reduzir as desvantagens do vento, chuva, já que na maioria dos climas as correntes predominantes podem ser previstas. As características do ambiente imediato também influenciam a orientação: árvores, formações de terra e outros edifícios criam sombra e reduzem ou intensificam o vento, enquanto corpos de água produzem umidade e refletem o sol.